Joel Natalino Santana (por Zeh Augusto Catalano)

Foto: ASSOPHIS (Associação dos Pesquisadores e Historiadores do Santos F.C)
Foto: ASSOPHIS (Associação dos Pesquisadores e Historiadores do Santos F.C)

Tanto quanto carece de ídolos e craques em campo, o futebol precisa de personagens fora dele, sejam jornalistas ou técnicos. Com passagens em todos os clubes do Rio, Joel Santana é uma das poucas pessoas benquistas em todos os quatro grandes. E, como já se sabe, uma figuraça ímpar.

Morador de Copacabana, era fácil vê-lo semanalmente na Missa do Padre Zé Roberto, na Paróquia da Ressurreição, na Francisco Otaviano. Beque aposentado, seu quase metro e noventa se destacava uns 20 centímetros acima das velhinhas que o cercavam na Igreja. Sempre de óculos escuros. Figuraça.

Mas a história que conto não vem da Igreja do Posto Seis, mas da outra ponta da praia de Copacabana.

Também não é dessa entrevista eterna e clássica não.

Num fim de noite, em Copacabana, estava com minha mulher e uma amiga no Cervantes, boteco super tradicional especializado em sanduíches e chopp daqui do Rio. Lá pelas tantas, irrompe no recinto a figura. Sozinho, sentou-se de frente pra mim. O garçom veio, a conversa demorou um pouco além da conta. Joel apontava pra cima.

A única decoração do salão do cervantes era uma prateleira perto do teto, em toda a sua volta, quase uma sanca, onde jaziam em pé garrafas de vinho tinto barato. Sabe aquelas garrafas engorduradas, imundas, que não vêem um pano sequer há anos? Pois é.

O garçom se afastou e, minutos depois, voltou com uma escada. Eu tinha entendido certo. Joel havia pedido pra beber uma das garrafas da decoração da sala. Na época, não existiam essas mini adeguinhas. O garçom subiu e pegou uma por cima de uma mesa na qual não havia clientes. Na mesa, já preparado, um balde de gelo, saca-rolhas, taça e o indefectível pano de prato aguardavam o vinho. O garçom limpou a garrafa imunda com o pano, abriu-a e serviu um pouco do vinho na taça de Joel.

O vinho estava quase marrom. Âmbar, uma cor próxima de um doce de leite, rapadura. Aquilo estava cozido. Visivelmente estragado.

Joel cheirou, provou… e pra minha surpresa, gostou! O garçom completou a taça, deitou o vinho podre no balde de gelo e deixou Joel, solitário, degustando seu vinho.

Saímos de lá antes da garrafa acabar, infelizmente. Queria ter ficado para ver o que viria depois, mas minha mulher e a amiga não entenderam o momento sensacional que eu estava testemunhando. De qualquer maneira, já tinha a história pra contar.

Tomara que Joel volte logo à ativa. O futebol precisa de suas tiradas.

One thought on “Joel Natalino Santana (por Zeh Augusto Catalano)

  1. Papai Joel, um mito!
    Quinta-feira, 31/03, ele estava aqui na ilha assistindo Portuguesa x Tigres.Quando, nos últimos momentos do jogo a Portuguesa perdeu um gol inacreditável, Ele puto da vida, se levantou e foi embora kkk Detalhe:Portuguesa estava com dois a mais em campo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *