A magia do rádio e a Série C do Brasileirão (da Redação)

Passando pelas cinco regiões do Brasil, a nova série inédita Série C apresenta um novo olhar da cultura brasileira através do Campeonato Brasileiro Série C.

Acompanhando os mais diversos times da Série C, a produção da Raccord, mostra, através do esporte mais popular do Brasil, as contradições, o sincretismo, a popularidade e riqueza do povo que recebeu a Copa do Mundo em 2014. O jogador, o presidente, os treinadores e, claro, os torcedores, são personagens que ajudam a retratar as peculiaridades desta competição que é considerada passagem obrigatória para qualquer time recém-criado que pretenda se juntar às seletas equipes do futebol brasileiro.

Personalidades como o cantor Raimundo Fagner, o rapper MV Bill, Flávio Gomes, Hugo Giorgetti, Juca Kfouri e o cineasta Halder Gomes fazem seus comentários sobre o enorme universo que existe em torno do campeonato. Retratando as mais diversas culturas do país, a série contou com a presença de times que representam as cinco regiões do Brasil: Águia de Marabá (Marabá | PA); Juventude (Caxias do Sul | RS), Cuiabá (Cuiabá | MT), Fortaleza (Fortaleza | CE), Madureira (Rio de Janeiro | RJ), Portuguesa (São Paulo | SP) e Salgueiro (Salgueiro | PE).

Waldir Amaral, um craque do rádio (da Redação)

Nascido em 17/10/1926, o locutor goiano Waldir Amaral foi um dos pioneiros na transformação das jornadas esportivas radiofônicas, fazendo da narração de futebol um verdadeiro espetáculo auditivo.
Waldir iniciou sua carreira na rádio Clube de Goiânia. No Rio de Janeiro, passou pelas rádios Tupi, Mauá, Continental, Mayrink Veiga, Nacional e Globo. Nesta última, por sinal, permaneceu de 1961 a 1983.

Ao lado de Mário Luiz, um dos diretores da Rádio Globo, Waldir foi o mentor intelectual da famosa vinheta “Brasil-sil-sil!”, gravada pelo radialista Edmo Zarife durante as Eliminatórias da Copa do Mundo para 1970, para levar a seleção à frente, e que está no ar até hoje.

Alguns de seus bordões fizeram história no rádio brasileiro:

“Tem peixe na rede do…” (Ele dizia se referindo ao time que levava gol do adversário)

“Choveu na horta do…” (Ele dizia se referindo ao time que fazia gol no adversário)

“É fumaça de gol” (Ele dizia quando surgia uma oportunidade de gol)

“Caldeirão do Diabo” (A grande área)

“Indivíduo competente” (O autor do gol)

“O visual é bom, Roberto tem bala na agulha” (Quando o jogador ia bater uma falta)

“Estão desfraldadas as bandeiras do Botafogo” (Logo após um gol)

“Deixa comigo” (Dizia logo após a vinheta do sue nome)

“O relógio marca” (Ele dizia quando dava o tempo de jogo)

Waldir faleceu em 1997, a dez dias de completar 71 anos de idade. Em sua homenagem póstuma, a rua Turf Club, situada no bairro do Maracanã em frente à lateral da UERJ, passou a se chamar Radialista Waldir Amaral. Nela, fica a sede a Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (FERJ)

Craques do rádio: Jorge Curi e Waldir Amaral na sala do Maracanã