O Mané Garrincha e seus perigos

Muito se falou sobre a pancadaria que as torcidas de Flamengo e Palmeiras protagonizaram em Brasília no fim de semana passado. Infelizmente, no entanto, não se está falando dos verdadeiros problemas que afligem o estádio e que, como já disse em textos anteriores no Panorama Vascaíno, podem sim levar a uma tragédia.

O estádio é um espetáculo. Dos melhores nos quais já pisei em toda a minha vida. Confortável, com uma visão perfeita de campo, tanto do anel superior quanto do inferior.

Seus problemas estão todos do lado de fora. E no policiamento despreparado.

 

google1
Estádio Mané Garrincha – imagem: Google Maps

Para quem não o conhece, esse é o estádio, visto de cima. A linha verde é o chamado Eixo Monumental, uma das duas vias mais importantes de Brasília, literalmente o “corpo” do avião, que é a cidade. Andando cerca de dois quilômetros para a direita, estão os ministérios, congresso, planalto. O estádio é explendidamente bem localizado. Seu acesso se dá por essa área asfaltada à direita, já que ele é cercado pelo ginásio Nilson Nelson e outros prédios menos conhecidos. No topo da foto, um pedaço do Autódromo, vizinho de fundos. Por essa via marcada em verde chega grande parte do público.

Então, os problemas:

 

google2
Estádio Mané Garrincha – imagem: Google Maps

A linha verde, agora, serve para mostrar o “muro” do estádio: na verdade, uma grade de tela rígida, de uns dois metros de altura, que durante a Copa do Mundo parecia ser uma estrutura temporária. O temporário virou definitivo. Acompanhe o trajeto irregular e inexplicável da tal grade. Dois ou três homens dispostos a derrubam.

A área interna à grade era onde ficavam, na Copa, bares oficiais e as lojinhas de Coca-Cola, Adidas e demais patrocinadores. Hoje em dia é apenas um espaço vazio, escuro e inútil. As catracas – que lêem os ingressos – para acesso ao estádio estão no próprio corpo do estádio, ou seja, a conferência do ingresso para acesso a este pátio interno depende do pessoal de recepção e que organiza as filas de entrada. Nos dois últimos jogos a que fui (Vila Nova x Vasco e Flamengo x Palmeiras) ninguém me pediu ingresso para estar nessa área interna. Ouvi relatos de conhecidos que usaram desse expediente para assistirem ao jogo do Vasco de graça.

google3
Estádio Mané Garrincha – imagem: Google Maps

Essa terceira imagem serve para mostrar a real dimensão do problema que é esse entorno. Pelo tamanho dos carros, na foto, dá pra se ter uma imensidão do pátio e do caos que se estabelece nesse estacionamento e seu entorno imediatamente após um jogo das proporções do de domingo passado. Repare que há uns míseros postes com uma única lâmpada cada, para iluminar essa monstruosidade de espaço.

A foto seguinte é minha, tirada às 18:10, na saída do jogo. Repare que estamos no crepúsculo, que o céu ainda não está totalmente escuro e que há dois postes iluminando toda a frente da foto. Um mais próximo e o outro mais distante. Eles ficam sobre estes calçamentos em meia-lua que dividem o pátio em setores. A iluminação forte, paralela à cabeça das pessoas, abaixo à direita é a iluminação do Eixo Monumental, a pista destacada em verde na 1a foto. O resultado prático disso é que todo esse pátio asfaltado mergulha numa perigosa penumbra, de você não conseguir ver direito o rosto de uma pessoa a uns dez passos de você. Policiamento? Duas tropas montadas (cavalo). E só.

Não há iluminação. Não há marcação de vagas. Não há policiamento a pé. Não há placas de sinalização para orientar ou dividir o pátio. Não há orientação para a saída. Cada um por si.

Cinco minutos após o fim do jogo, esse local é um caos, com todos que já estão em seus carros querendo sair na frente dos outros, e pessoas perdidas, andando em todas as direções, à procura de seus veículos e familiares.

Se o tumulto que aconteceu no estádio acontece durante essa saída, teremos uma carnificina.

penumbra
Estádio Mané Garrincha – a escuridão do lado de fora – imagem: JAC

Por último, deixei para falar do policiamento. O maior risco que o público presente no estádio domingo passado correu foi protagonizado pela Polícia Militar de Brasilia. Ao usarem gás de pimenta para tentar resolver o conflito no qual estavam metidos, os policiais transformaram um conflito localizado em um setor do hall do anel superior do estádio num caos generalizado em todo o Mané Garrincha. Embaixo, onde as pessoas calmamente esperavam o segundo tempo do jogo, as pessoas começaram a passar mal com a nuvem de gás de pimenta que – óbvio! – desceu do conflito. Mulheres, crianças, deficientes, pais desesperados para fugir do gás. Jogadores vomitando em campo.

Para quem nunca sentiu ao vivo, o gás não tem cheiro. Começa uma inexplicável ardência na garganta que te leva a tossir loucamente e que te dá a sensação de que sua garganta vai se fechar e você vai sufocar. Eu estava no estádio com casal de amigos (pai, mãe e dois pirralhos, de seis e dois anos de idade). O pai queria correr pro campo, como fizeram várias pessoas. Gente saiu carregada.

Não é possível que os responsáveis pelo policiamento não tenham a noção da (não) dissipação de um gás em um ambiente fechado. Passamos perigosamente perto de uma tragédia, que só não se consumou porque a quantidade de gás não foi suficiente para consolidar o pânico que se estabeleceu no anel inferior. Suponho que no anel superior tenha sido ainda pior. Fato é que o gás não pode ser usado ali.

Isso se repetiu nos dois últimos jogos no Mané Garrincha. No terceiro, as consequências podem vir a ser piores. Que os responsáveis tenham consciência. E que possamos ir assistir a um jogo de futebol em paz.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *