Mendonça, uma página eterna do Botafogo (por Paulo-Roberto Andel)

mendonca-botafogo-1

Ele jogou muito, muito e muito, às vezes ao lado de grandes jogadores e, em outras oportunidades, com futebolistas de qualidade discutível. No entanto, sempre brilhou. Num tempo em que seu time passava uma longa época sem conquistas, em várias oportunidades ele personificou a Estrela Solitária: Milton da Costa Mendonça, o Mendonça.

Filho de Mendonça, zagueiro do Bangu que teve a perna quebrada num lance com Didi, em 1951, para se aposentar, Mendonça chegou ao time principal do Botafogo pelas mãos do supertreinador Telê Santana, que o viu nos juvenis e imediatamente o alçou à equipe de profissionais.

Jogou por oito temporadas com a camisa alvinegra, nos tempos da recessão do clube, então mudado de General Severiano para Marechal Hermes. Um camisa 10 clássico, talentoso, especialista em passes e na bola parada. Assim como Heleno de Freitas, não precisou de conquistas para ser uma página eterna do livro dos dias do Botafogo.

Mendonça teve grandes jornadas no tempo em que o Maracanã facilmente recebia mais de cem mil torcedores. Agora, se perguntarem pelo jogo mais marcante, a resposta é inevitável: quartas de final do Campeonato Brasileiro de 1981, com o Botafogo vencendo o Flamengo (que seria campeão mundial meses depois) por 3 a 1. Seu drible no craque Júnior por ocasião do terceiro gol é uma legenda para todos os que acompanhavam o grande futebol brasileiro naquele tempo.

One thought on “Mendonça, uma página eterna do Botafogo (por Paulo-Roberto Andel)

  1. Mendonça era clássico, elegante e extremamente técnico. Como se dizia antigamente, jogava o fino da bola. Até o maestro Júnior aprendeu com ele.
    Lembro-me de que, presente a um programa esportivo, via telefone, Júnior foi perguntado por um torcedor se ainda estava procurando a bola após o drible de Mendonça. O Maestro, também elegante como sempre, respondeu: “ainda estou procurando”!
    Obs.: em 1986, ao lado de Jorginho, Éder, Mirandinha, Edu, Edmar e outros, Mendonça atravessou extraordinária fase jogando pelo Palmeiras e, somente não é lembrado como um dos maiores de todos os tempos, pela derrota na final do Paulistão para a Inter de Limeira e por uma eliminação precoce do Brasileirão, nas quartas-de-finais, em um azarado jogo contra o Bahia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *