A Hungria de Puskas (por Zeh Augusto Catalano)

Um dos maiores times da história.  Campeã olímpica em 1952, a Hungria era a favorita absoluta para a Copa do Mundo em 1954, na Suíça. Perdeu a final contra a Alemanha, a quem havia massacrado na fase preliminar da mesma competição por 8 a 3. Abriu 2 a 0 em poucos minutos, mas sucumbiu de forma inesperada levando a virada, 3 a 2, no final. Um gol mal anulado poderia ter mudado a história do jogo e do futebol, premiando a melhor Hungria de todos os tempos. Mas os deuses do futebol não quiseram que isso acontecesse. Igual a Holanda de 1974 e o Brasil de 1982, os húngaros ficaram com as lágrimas.

O time assombrou o mundo com seus resultados e seu estilo de jogo revolucionário, completamente distinto dos outros times da época. Puskas, Hidegkuti, Boszik, Kocsis, Czibor . Craques. O ponto de desequilíbrio, ao contrário do que se pensa, não era Puskas, mas Nandor Hidegkuti. Numa época de posições bem definidas, e de um futebol mais estático, ele era um verdadeiro ponta de lança, voltando até a intermediária para armar jogo e levando junto a zaga adversária, que pensava estar perseguindo o centroavante da Hungria. No buraco aberto às suas costas, os outros craques faziam a festa.

Por mais incrível que pareça, há pelo menos um jogo inteiro desse time disponível no youtube. É um jogo histórico, de sessenta e quatro anos atrás, novembro de 1953, gravado em preto e branco e narrado em húngaro. Em Wembley!

A Inglaterra se achava o supra-sumo do futebol e, até essa partida, jamais havia perdido para não britânicos (Escócia, Irlanda, Gales) em seu território. Era comum chamarem os melhores times do mundo para um amistoso em suas dependências, para que ganhassem e esnobassem a plebe futebolística que queria rivalizar com os inventores do futebol. Convidaram então os campeões olímpicos para tirarem uma onda com os caras. Levaram uma sova histórica de meia-dúzia a três, com direito a um gol que é tido como um dos mais bonitos da história, de Puskas (aos 23’50” do vídeo).

Uma aula de futebol.

Seis meses depois deste jogo,uma revanche foi marcada para o Nepstadion, de Budapeste. Foi ainda pior. 7 a 1.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *