Aquele Gordon Banks

Brasil e Inglaterra na TV há pouco. Meio século depois, o jogão da Copa do México ainda é muito falado, com razão.

Dez entre dez comentaristas cravam como grande lance a defesa de Gordon Banks, com razão.

O Brasil levou uma bola no travessão. É do jogo.

Agora, o nosso gol é um clássico eterno do melhor futebol do mundo: Tostão deixa três ingleses de bobeira e cruza lindamente; Pelé deixa outros dois com um toquinho colossal, enjoado; finalmente Jairzinho ajeita e solta a bomba.

Estava rediviva a mística de 1958 e 1962.

Os uniformes eram lindos de morrer, achado maravilhoso de Ibrahim Sued. Até as placas da Esso na linha de fundo eram charmosas. Os caracteres no placar na tela da televisão. Tudo.

As imagens da Copa de 1970 estão muito vivas para quem gosta de futebol. Compreende-se: foi a primeira que vivos com os próprios olhos dentro de casa. O time era o maior de todos os tempos. Todos os craques voltariam para o Brasil e viveriam aqui, muitos ainda jogando várias temporadas.

Jairzinho, Gerson, Tostão, Pelé e Rivellino. Podia ser o quinteto de Miles Davis em “Kind of blue”. O MPB4 cantando “Roda Viva” com Chico Buarque. Uma mesa em Paris com Hemingway e seus pares. Mas é o nosso melhor futebol, com as nossas lindas cores, fazendo os olhos de milhões de torcedores brilharem, dando uma réstia de alegria para um país com portões fechados.

Três anos depois do tri, os garotos de quatro ou cinco anos ficavam embasbacados com as figurinhas dos heróis da bola. Só de ouvir falar nos tricampeões do mundo, muitos se apaixonaram pelo futebol para sempre. Taí a coluna que não deixa mentir.

@pauloandel

A Hungria de Puskas (por Zeh Augusto Catalano)

Um dos maiores times da história.  Campeã olímpica em 1952, a Hungria era a favorita absoluta para a Copa do Mundo em 1954, na Suíça. Perdeu a final contra a Alemanha, a quem havia massacrado na fase preliminar da mesma competição por 8 a 3. Abriu 2 a 0 em poucos minutos, mas sucumbiu de forma inesperada levando a virada, 3 a 2, no final. Um gol mal anulado poderia ter mudado a história do jogo e do futebol, premiando a melhor Hungria de todos os tempos. Mas os deuses do futebol não quiseram que isso acontecesse. Igual a Holanda de 1974 e o Brasil de 1982, os húngaros ficaram com as lágrimas.

O time assombrou o mundo com seus resultados e seu estilo de jogo revolucionário, completamente distinto dos outros times da época. Puskas, Hidegkuti, Boszik, Kocsis, Czibor . Craques. O ponto de desequilíbrio, ao contrário do que se pensa, não era Puskas, mas Nandor Hidegkuti. Numa época de posições bem definidas, e de um futebol mais estático, ele era um verdadeiro ponta de lança, voltando até a intermediária para armar jogo e levando junto a zaga adversária, que pensava estar perseguindo o centroavante da Hungria. No buraco aberto às suas costas, os outros craques faziam a festa.

Por mais incrível que pareça, há pelo menos um jogo inteiro desse time disponível no youtube. É um jogo histórico, de sessenta e quatro anos atrás, novembro de 1953, gravado em preto e branco e narrado em húngaro. Em Wembley!

A Inglaterra se achava o supra-sumo do futebol e, até essa partida, jamais havia perdido para não britânicos (Escócia, Irlanda, Gales) em seu território. Era comum chamarem os melhores times do mundo para um amistoso em suas dependências, para que ganhassem e esnobassem a plebe futebolística que queria rivalizar com os inventores do futebol. Convidaram então os campeões olímpicos para tirarem uma onda com os caras. Levaram uma sova histórica de meia-dúzia a três, com direito a um gol que é tido como um dos mais bonitos da história, de Puskas (aos 23’50” do vídeo).

Uma aula de futebol.

Seis meses depois deste jogo,uma revanche foi marcada para o Nepstadion, de Budapeste. Foi ainda pior. 7 a 1.